Google Search Console: Como configurá-lo e utilizá-lo - Blog Raffcom
 Guia prático do Google Search Console

Guia prático do Google Search Console

Há diversas ferramentas que auxiliam na otimização de sites para mecanismos de pesquisa. Entre essas ferramentas há uma que se destaca e, definitivamente, não pode faltar em seu arsenal, o Google Search Console.

O que é o Google Search Console e para que serve?

google-search-console-cockipt

Basicamente,  é o cockpit de SEO para o seu site e serve como uma ótima ferramenta de auditoria.

* Também é possível auditar aplicativos para Android com essa ferramenta

A ferramenta é totalmente grátis e não possui limites de propriedade e nem de usuários.

Por ser uma ferramenta associada ao buscador Google, nele você encontra diversas informações – correções, melhorias e boas práticas (diretrizes) – para que o seu site apareça em melhores posições nos resultados orgânicos do buscador. Entre as principais informações estão:

Aparência do site na busca

Como as páginas do seu site estão aparecendo nos resultados do Google? Elas são atrativas e relevantes à busca do usuário?

Informações sobre as pesquisas dos usuários

O que os usuários estão pesquisando no Google para chegar até o seu site?

Rastreamento de páginas

O Googlebot está rastreando corretamente as páginas do seu site? Há interferências no rastreamento?

Indexação de páginas

O Googlebot está adicionando as páginas do seu site no índice do Google corretamente?

Caso possua dificuldades em responder as perguntas acima, pois não entende corretamente como o Google funciona, acompanhe a explicação do próprio buscador antes de continuar a leitura deste post.

Como configurar o Google Search Console em seu site

Se você ainda não possui o Google Search Console configurado em seu site, acompanhe o passo a passo a seguir:

1 – Tenha uma conta Google (padrão ou G Suite)

Esteja logado em sua conta e acesse este endereço;

2 – Adicione uma propriedade

Informe o domínio do seu site com http:// ou https://;

google-search-console-configuracao

3 – Verificação de propriedade

Nesse passo você precisará comprovar que o site é realmente seu.

Há cinco formas de realizar a comprovação:

google-search-console-configuracao-verificacao

    • Upload de arquivo HTML;
      • Basta fazer o arquivo indicado pela ferramenta e submetê-lo no diretório raiz do seu site.
    • Tag HTML;
      • Essa é uma das formas mais utilizadas, por ser realmente simples e garantida: Copie a meta tag indicada pela ferramenta e cole entre <head> e </head> do HTML da página inicial do site.
    • Provedor de nome de domínio;
      • Nesse método você precisa logar no provedor do seu domínio e inserir o registro TXT indicado na configuração de DNS do seu site.
    • Google Analytics;
      • Para utilizar esse método, você precisa já ter configurado o Google Analytics em seu site com o mesmo e-mail utilizado para a configuração do Google Search Console.
  • Gerenciador de tags do Google (Google Tag Manager);
      • Nessa forma de configuração, é preciso ter o Tag Manager configurado no site;
    • O usuário do e-mail utilizado para a Configuração do Google Search Console precisa ter permissão “gerenciar” na conta do Google Tag Manager.

Após a realização de alguns dos métodos de verificação, clique no botão verificar.

google-search-console-configuracao-confirmacao

Agora é só aguardar a verificação e aproveitar a ferramenta.

Como usar o Google Search Console

Assim que logado em sua conta vemos um painel que resume as principais informações a respeito do seu site.

google-search-console-dashboard

Algumas informações são:

    • Mensagens de avisos ou problemas identificados;
    • Quantidade de erros de rastreamento;
        • Erros e instabilidades no servidor;
        • Páginas não encontradas (Erro 404);
        • Páginas bloqueadas;
      • Problemas de redirecionamento de URL.
    • Quantidade de cliques nos resultados orgânicos do seu site na busca do Google durante os últimos 28 dias;
    • Quantidade de URLs submetidas ao índice do buscador Google;
  • Quantidade de URLs indexadas pelo buscador Google.

Navegando pelo menu lateral, encontramos:

    • Aspecto da pesquisa;
        • Dados estruturados;
        • Rich Cards;
        • Marcador de dados;
        • Melhorias de HTML;
      • Páginas aceleradas para dispositivos móveis.
    • Tráfego de pesquisa;
        • Search Analytics;
        • Links para seu site;
        • Links internos;
        • Ações manuais;
        • Segmentação internacional;
      • Facilidade de uso em dispositivos móveis.
    • Índice do Google;
        • Status do índice;
        • Palavras-chave do conteúdo;
        • Recursos bloqueados;
      • Remover URLs.
    • Rastreamento;
        • Erros de rastreamento;
        • Estatísticas de rastreamento;
        • Buscar como o Google;
        • Testar robots.txt;
        • Sitemaps;
      • Parâmetros de URL.

Aspecto da pesquisa

Nesta área do Google Search Console você encontra informações e configurações relacionadas à aparência dos seus resultados orgânicos no Google.

google-search-console-aspecto-de-pesquisa

  1. Título

O título é um dos fatores de ranqueamento mais importantes em SEO e, além disso, está relacionado à boa experiência do usuário na página de resultado de pesquisa. É através do título que o usuário verifica se o resultado exibido pelo seu site condiz com o que ele pesquisou.

  1. Meta description

A meta description precisa de um texto relevante para o usuário, que o induza a acessar a página.

Uma boa meta description possui em média 140 caracteres e uma chamada para ação, como por exemplo, “Adquira agora!”, “Acesse e confira!”, “Saiba mais”, etc.

A meta description não é utilizada como fator de ranqueamento do Google, mas se bem redigida e atrativa será mais clicada pelos usuários. Isso interfere diretamente na taxa de CTR (taxa de cliques por impressões) dos resultados orgânicos de pesquisa.

O CTR sim é um fator importantíssimo para o algoritmo do Google.

  1. Sitelinks

Os sitelinks são páginas do seu site que o Google considera relevantes a ponto de exibi-las abaixo dos seus resultados de pesquisa.

Há algum tempo já não é possível ter controle sobre os sitelinks exibidos. Por este motivo, deixar as páginas do seu site muito bem estruturadas e hierarquizadas é a melhor forma de garantir que bons sitelinks apareçam.

  1. Pesquisa em um site

A caixa de busca exibida abaixo do resultado de um site, permite que o usuário realize uma pesquisa interna diretamente na SERP (página de resultados de pesquisa) do Google.

Tudo que você precisa para implantar a caixa de busca em seu resultado é ter um site com uma ferramenta de busca própria e o código abaixo – com a personalização dos seus dados – inserido no HTML da sua página inicial:

<Script type = “application / ld + json”>

{

“@context”: “Http://schema.org”,

“@type”: “WebSite”,

“URL”: “https://www.example.com/”,

“PotentialAction”: {

“@tipo”: “SearchAction”,

“Alvo”: “https://query.example.com/search?q={search_term_string}”,

“Consulta de entrada”: “nome required = search_term_string”

}

}

</ Script>

  1. URL

Preze por uma URL curta e que torne possível a fácil identificação do conteúdo que será abordado na página de destino, antes mesmo dela carregar.

Você já deve ter se deparado com péssimas e ótimas URLs durante as pesquisas feitas em seu dia a dia.

Digamos que você pesquisou por “celulares em promoção” no Google:

Uma URL considerada boa seria exibida da seguinte forma:

http://www.siteum.com.br/celulares-em-promocao/

Já uma URL considerada ruim seria exibida assim:

http://www.sitedois.com.br/4891-cel&i1298?008/c.html

  1. Rich snippet voltado para eventos

Esse tipo de rich snippet exibe os detalhes de um evento. Ele pode exibir datas, horários, locais, avaliações, preços, etc.

Para mais informações você pode consultar a documentação sobre rich snippet de evento do Google.

  1. Trilhas de navegação (breadcrumb)

Fazendo a marcação de dados estruturados nos breadcrumbs das páginas do seu site, é possível exibi-los nos resultados de busca, ao invés das URLs. Isso tornará o seu resultado muito mais atrativo em comparação com o dos concorrentes.

  1. Rich snippet voltado para produtos

Se você possui um e-commerce, por exemplo, é possível detalhar informações sobre seus produtos, como preço, imagem, descrição, marca, avaliação, etc., e exibi-las nos resultados de busca. Em aspecto de pesquisa podemos estar a par de todos os pontos abordados acima:

Dados estruturados:

No menu dados estruturados é possível observar se o seu site possui estruturação de dados, verificar quais foram estruturados e se eles apresentam algum tipo de erro.

Nesta documentação do Google sobre Introduction to Structured Data você encontra mais informações a respeito.

google-search-console-dados-estruturado

Rich Cards

O Rich Cards é praticamente uma evolução do Rich Snippets. Nele os resultados são apresentados em formato de carrossel, altamente atrativo, o que resulta em uma maior incidência de cliques.

É possível apresentar Rich Cards de receitas, eventos, produtos, avaliações cursos, etc.

google-search-console-rich-card-apresentacao

Para configurar os Rich Cards em seu site, consulte a documentação do Google: Search Gallery.

No Google Search Console é possível verificar se os seus Rich Cards estão configurados corretamente e, caso não estejam, o que precisa ser corrigido:

google-search-console-rich-cards

  • Inválido: são cards com erros críticos em campos considerados obrigatórios de dados estruturados.
  • Otimizável: são cards com erros, mas que não são críticos e estão em campos opcionais de dados estruturados.
  • Totalmente otimizado: são cards com todos os campos preenchidos corretamente, sejam eles obrigatórios ou opcionais.

Marcador de dados

Se o seu site não possui dados estruturados, com o marcador de dados é possível configurá-los sem a necessidade de realizar alterações no HTML.

Com o marcador de dados, basta que o seu site contenha as informações necessárias dentro do conteúdo das páginas, de forma padronizada.

É possível marcar dados estruturados para aplicativos, artigos, cinema, empresas locais, episódios de TV, eventos, produtos, resenhas de livros e restaurantes.

No exemplo abaixo, há a marcação de dados para produtos de um e-commerce:

google-search-console-marcacao-dados-estruturados

Basta selecionar cada elemento e indicar quais dados estruturados ele irá representar.

Melhorias de HTML

Essa é uma das principais áreas do Google Search Console, pois indica páginas com conteúdo não indexável, problemas nos títulos e meta descriptions das páginas do seu site:

Meta descrição
  • Meta descrições duplicadas: A meta description é o principal espaço para você falar sobre o seu serviço, produto ou conteúdo na página de resultados do Google. Elabore meta descriptions exclusivas, informativas e atrativas para cada página.
  • Meta descrições longas: Limite o número de caracteres das suas meta descriptions para uma média de 150 caracteres. Se escrever mais do que isso, o texto  provavelmente será cortado por reticências, trazendo uma má experiência para o usuário que realiza a busca.
  • Meta descrições curtas: Meta descrições curtas dão a impressão de falta ou omissão de informação, resultando em perda de destaque em relação aos outros resultados da pesquisa.
Título:
  • Títulos ausentes e duplicados: A ausência de título é um erro grave. Elabore títulos exclusivos e com a palavra-chave em foco para cada página.
  • Títulos longos: Títulos muito longos não são atrativos aos olhos dos usuários. Isso porque ele “escaneia” a página de resultados procurando pelo termo que pesquisou. Elabore títulos mais sucintos e com a palavra-chave em foco.
  • Títulos curtos: Títulos curtos também dão a impressão de falta de informação e, principalmente, de manipulação, nos casos em que são compostos apenas pela palavra-chave principal da página.
  • Títulos não informativos: Os títulos devem fornecer informações úteis sobre a página do seu site.

Corrija os problemas de HTML do seu site indicados pelo Google Search Console e, em poucos dias, você já notará mudanças positivas no tráfego orgânico do seu site.

Páginas aceleradas para dispositivos móveis

google-search-console-amp-accelerated-mobile-pages

AMP (páginas aceleradas para dispositivos móveis) HTML é um framework – lançado no ínicio de 2016 pelo Google e outras gigantes da web – que permite a criação de páginas mais leves para aplicativos móveis, resultando em um carregamento de página extremamente mais rápido.

Aqui você pode consultar a documentação para a implantação do AMP em seu site.

Se você possui um site em WordPress, a implantação e configuração do AMP será  muito fácil, devido a existência de um plugin já criado: o AMP para WordPress.

Observação: Ao implantar o AMP, certifique-se de que o código do Google Analytics esteja presente em suas páginas móveis aceleradas.

Visto que a velocidade de carregamento das páginas é considerada um dos fatores de ranqueamento pelo Google, implantar o AMP poderá impulsioná-las frente a concorrência nos resultados orgânicos do Google.

Através do relatório do Google Search Console para o AMP, é possível acompanhar o relatório de páginas indexadas e erros:

google-search-console-amp-accelerated-mobile-pages-relatorio

Tráfego de pesquisa

Em tráfego de pesquisa, encontramos algumas das ferramentas mais utilizadas na otimização de um site:

Search Analytics

No Google Search Console também encontramos uma área voltada especificamente para Search Analytics, onde estão presentes diversos dados e indicadores relacionados aos acessos do site.

Atualmente o Search Analytics é o supra-sumo do que a ferramenta tem a oferecer, principalmente após as melhorias que o Google realizou – na mudança de Webmaster Tools para Search Console – em 2015, onde foi possível realizar análises mais intuitivas e inteligentes.

google-search-console-search-analytics

No Google Search Analytics encontramos informações valiosas sobre como os usuários chegaram até o seu site:

  • Consultas: Quais palavras-chave foram utilizadas pelos usuários e ativaram as página do seu site como resultado de pesquisa.
  • Páginas: Quais páginas trazem tráfego orgânico para o seu site.
  • Impressões: Quantas vezes as páginas do seu site apareceram nos resultados de busca do Google.
  • CTR: Número de cliques dividido por impressões (taxa de cliques).
  • Posição média: Qual a posição de cada palavra-chave em um determinado período.
  • Países: Há usuários de outros países acessando o seu site através dos resultados de pesquisa do Google? Quais termos eles procuram?
  • Dispositivos: As palavras-chave que seu site ranqueia variam de acordo com o dispositivo (desktop, celular, tablet). Com essa opção é possível analisar cada dispositivo separadamente e até mesmo compará-los.
  • Tipo de pesquisa: É possível filtrar as palavras-chave e páginas em web, imagens e vídeos.
  • Data: Análise ou comparação de períodos.
Dicas:
    • Compare palavras-chave;
    • Compare palavras-chave vs páginas e páginas vs palavras-chave;
    • Compare páginas;
    • Compare períodos;
  • Realize o download dos seus dados e os organize em uma planilha.
Ao analisar o Google Search Analytics, questione-se:
    • Quais são as principais palavras-chave do seu site?
    • Seu site está bem posicionado para as suas principais palavras-chave? O que é possível fazer para melhorar seus posicionamentos?
        • Melhorar o conteúdo;
        • Reduzir o tempo de carregamento da página;
        • Otimizar as imagens;
        • Otimizar o título;
        • Otimizar a meta description;
        • Otimizar as heading tags;
      • Melhorar a experiência de navegação em desktop e mobile.
    • Quais são as páginas correspondentes de cada uma das suas principais palavras-chave?
    • As principais páginas do seu site possuem boas palavras-chave?
  • Realizando uma análise comparativa de períodos, é possível perceber resultados satisfatórios e progressivos provenientes das suas estratégias de SEO?

Links para o seu site

Links para o seu site é um fator de grande importância em SEO. Nesta área do Google Search Console é possível visualizar quais sites linkaram para o seu, quantas vezes linkaram, quais os textos âncoras utilizados e para quais páginas.

De tempos em tempos, realize o download dessa informações e organize-as em uma planilha, para fazer a análise comparativa de períodos.

Links internos

Em links internos é possível visualizar as linkagens internas realizadas em seu site, analisando página por página.

Ações manuais

Se o seu site segue as diretrizes de qualidade do Google, você nunca precisará se preocupar com essa área do Google Search Console.

É normal que apareça a seguinte mensagem: “Nenhuma ação manual de spam encontrada.” Preocupe-se caso apareça qualquer outra coisa além disso, pois:

    • O relatório de ações manuais traz ocorrências quando um revisor humano determinou que, em algum ponto, o seu site não está de acordo com as diretrizes de qualidade do Google.
  • Quando um site não respeita essas diretrizes de qualidade, os algoritmos do Google o rebaixam ou o removem dos resultados de pesquisa automaticamente, mas há casos em que há a necessidade de revisão humana.

Caso o seu site seja pego por alguma ação manual, corrija o problema informado pela ferramenta imediatamente e solicite uma nova análise do seu site.

Para mais informações acesse a documentação sobre o relatório de ações manuais do Search Console.

Segmentação internacional

Através da segmentação internacional você define seu público-alvo a partir das configurações  de local e idioma.

  • Idioma: Configure as tags hreflang para fazer a correspondência entre a preferência de idioma do usuário e a variação correta das suas páginas.
  • País: Utilize esse recurso para configurar uma segmentação por país em todo o site, caso seja necessário.

google-search-console-segmentacao-internacional
Se você utiliza domínio .br, o Google automaticamente o associa ao Brasil.

Facilidade de uso em dispositivos móveis:

google-search-console-facilidade-em-em-dispositivos-moveis

Nesta área você encontrará avisos de erros relacionados a problemas de usabilidade em dispositivos móveis que podem afetar o seu site.

Sites com problemas de usabilidade em dispositivos móveis possuem classificações mais baixas nos resultados de pesquisa do Google.

Índice do Google

Em Índice do Google você encontra informações relacionadas à indexação das páginas do seu site.

Status do índice

Relatório de páginas indexadas, bloqueadas e removidas no último ano:

google-search-console-status-do-indice

Palavras-chave do conteúdo

Em palavras-chave do conteúdo você encontra as palavras-chave mais importantes e suas variantes, que o Google encontrou ao rastrear seu site.

Também é possível analisar a quantidade de ocorrências das palavras-chave e em quais páginas elas foram encontradas.

Recursos bloqueados

O Googlebot acessa diversos recursos das páginas do seu site para processá-la e indexá-la de forma otimizada.

Arquivos Java Script, CSS e imagens precisam estar disponíveis para que o Googlebot possa visualizar as página como um usuário comum.

Se em seu relatório aparecer algum recurso bloqueado, consulte a documentação do Google sobre o relatório de recursos bloqueados.

Remover URLs

Remova URLs que você não quer mais que apareçam nos resultados de pesquisa do Google através desse recurso.

Para remover URLs de forma definitiva você também precisará bloqueá-las através do uso das meta tags noindex e nofollow.

Insira a seguinte tag entre <head> e </head> na página que deseja bloquear a sua indexação no Google:

<meta name=”robots” content=”index, follow”>

Rastreamento

Na guia rastreamento você descobrirá como pode auxiliar o Google a indexar o seu site.

Erros de rastreamento

google-search-console-erros-de-rastreamento

Em erros de rastreamento, você encontra os motivos pelos quais o Google não conseguiu rastrear algumas de suas páginas:

    • Problemas de comunicação com o DNS;
    • Erros no servidor;
    • Páginas importantes bloqueadas pelo Robots.txt;
    • Páginas com erro 404;
  • Páginas com erro soft 404.

Também é possível analisar os erros de forma segmentada por dispositivos.

Corrija os problemas indicados pelo Google imediatamente, e você perceberá ótimos resultados com o tempo.

Para entender cada erro e como corrigi-los, consulte a documentação do Google sobre erros de rastreamento.

Estatísticas de rastreamento

Em estatísticas de rastreamento, obtemos informações cruciais:

Tempo de download de uma página

Tempo médio necessário para o Googlebot rastrear as páginas de um site:

google-search-console-estatisticas-de-rastreamento-tempo-de-download-de-uma-pagina

Páginas rastreadas por dia

Quanto menor o tempo necessário para o rastreamento, maior será o número de páginas rastreadas:

google-search-console-estatisticas-de-rastreamento-paginas-rastreadas-por-dia

Quilobytes recebidos por dia

Quanto menor o tempo necessário para o rastreamento, maior será a quantidade de informações recebidas:

google-search-console-estatisticas-de-rastreamento-quilobytes-recebidos-por-dia

Quanto maior o número de páginas rastreadas e informações recebidas, maior será a quantidade de páginas indexadas nos resultados do Google.

Buscar como o Google

Solicite a indexação de uma página para o Google através dessa função.

Você pode utilizá-la para indexar páginas recém criadas ou para depurar problemas de rastreamento do site.

Há um limite de 500 buscas por mês, mas ao se aproximar desse limite você será prontamente notificado pelo Google Search Console.

Testar robots.txt

O robots.txt é um arquivo que, quando inserido na raiz de um site, instrui ao googlebot o que é permitido ou o que não pode ser rastreado.

Com essa ferramenta é possível testar o seu arquivo robots.txt e realizar mudanças que você julgar necessário.

Sempre teste o seu arquivo robots.txt quando alterá-lo, para garantir que páginas importantes não tenham sido bloqueadas.

Sitemaps

O sitemap é um arquivo que lista as URLs do seu site para o Googlebot, facilitando assim a indexação dessas páginas.

Geralmente o arquivo é inserido na raiz do site em formato XML, assim como o sitemap da Raffcom.

Cadastre e analise seus sitemaps através dessa ferramenta.

Parâmetro de URL

Nessa área você informa ao Google a existência de parâmetros em suas URLs que devem ser desconsiderados, a fim de evitar a indexação de páginas duplicadas.

Mesmo que o Google apresente esse recurso, a melhor forma de evitar a duplicação de URLs é através da canonização de URLs e do redirecionamento 301.

Problemas de segurança

Em problemas de segurança você recebe notificações e informações, caso seu site tenha sido invadido ou infectado por malware.

Se você for notificado, analise as informações enviadas pelo Google, o código do seu site e realize as devidas correções.

Outros recursos

Nesta área você encontrará uma listagem de ferramentas externas do Google, que poderão lhe ajudar a melhorar o seu site em diversos aspectos.

Operar os recursos do Google Search Console e seguir as diretrizes de qualidade informadas é crucial para otimizar o seu site frente aos mecanismos de pesquisa.

Espero que esse artigo lhe ajude a extrair o potencial máximo dessa plataforma

google-search-console-chuck-norris

Caso possua alguma dúvida ou sugestão sobre essa incrível ferramenta, deixe um comentário abaixo!

Cadastre seu e-mail
I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )
Coloque o seu e-mail ao lado para receber as atualizações do blog!
Fique tranquilo, pois nós também odiamos spam. Seu endereço de e-mail não será vendido ou compartilhado.
Leonardo Prado Analista de SEO

Leonardo Prado

Analista de SEO

blog@raffcom.com.br

Continue lendo

Estratégia em redes sociais: você está conversando com seu público-alvo

Conhecer a fundo o perfil do público-alvo — suas necessidades, desejos e motivações — é primordial para o desenvolvimento de qualquer estratégia em redes sociais de sucesso. No entanto, para muitas empresas, “acertar o tom” da conversa ainda é um grande desafio. Afinal, antes de investir em táticas de venda e apresentação do produto, é […]

Otimização de aplicativos: A evolução do SEO

A maneira mais eficiente de deixar qualquer site bem posicionado nos resultados orgânicos dos buscadores é a utilização de técnicas de SEO. Essas técnicas fazem com que o conteúdo seja encontrado com mais facilidade pelos usuários, de acordo com as palavras-chave utilizadas. Com aplicativos isso não é diferente. Eles precisam se destacar para serem encontrados […]

Como fazer um teste A/B no Facebook

Sem dúvidas, uma das partes mais importantes ao criar e gerenciar campanhas é a realização de teste A/B no Facebook. E quanto mais, melhor! Isso porque somente através dos testes que você descobrirá quais estratégias são as mais adequadas para atingir os seus objetivos. É praticamente impossível acertar de primeira qual é a melhor forma […]